sábado, 9 de maio de 2009

Minha vida profissional – PARTE 2

SCRIPT

Como os teleteatros eram, por enquanto, “cartas fora do baralho”, o Baroni me entregou um script de radioteatro e eu também me senti capaz de escrever uma história de 2 horas para o rádio.

Naquela época, a Rádio Record tinha seu Radioteatro Record no ar, todos os domingos, às 22h. Isso já há 25 anos. Prestem atenção a esse detalhe: o programa estava no ar desde 1957!

Animado, escrevi duas estórias: “Carnaval: Sinal Verde” (mostrando como as pessoas se comportam no carnaval, se soltando, mostrando quem elas realmente são ou gostariam que fossem) e “Canção de Amor”, uma história romântica, com seus conflitos e emoções. Nada mais. 

O Baroni “me pegou pela mão” e me levou à Rádio Record (morávamos ali perto) e me apresentou ao grande talento Djalma Amaral, que, além de diretor de radioteatros, era um excelente radioator.

O Djalma leu meus scripts e adorou. Logo, estavam no ar as chamadas para as minhas duas estórias. Foi emocionante ouvir meu nome sendo apresentado como autor das próximas estórias que iriam ao ar! Cheguei a gravar essa chamada numa fita K7, mas nem sei se ainda a tenho em meu poder…

Eu era tão desapegado às coisas materiais que nem me dei ao trabalho de perguntar quanto eu iria ganhar tendo aquelas estórias radiofonizadas…

O destino, mais uma vez, quis botar as manguinhas de fora e, de uma hora para outra, o Radioteatro Record foi tirado do ar. E eu, de novo, via meu sonho se desmanchar, sem poder fazer nada…

 

CONTINUA AMANHÃ…

3 comentários:

Rafhaelbass disse...

Nossa q frustração.
Você nunca cogitou em escrever em revistas, colunas e etc. Seria um começo alternativo

Bronca no Trombone disse...

Obrigado por mais esta visita, Raphael. Te conto que, desde 1991, eu faço freelance para editoras. Já escrevi de tudo, desde manual de sexo e piadas, até mensagens e cartas amor, livros (de banca de jornal) de astrologia etc. Cheguei a ter, em 1995, 12 revistas minhas ao mesmo tempo nas bancas, mas coisa bem popular mesmo. Mas o meu sonho ainda é conseguir ter pelo menos uma estória na TV. Rádio, até consegui. Vendi algumas estórias a preço de banana para um pessoal lá do Rio Grande do Sul. Tenho um post que fala sobre isso. Eles ainda vendem os CDs com as minhas estórias. Mas é um pessoal que trabalha com outras coisas, juntam uma grana e gravam uma estória. Um CD deve estar uns R$ 15,00, eu acho.
É... quem sabe eu ainda chego lá, né?

Abraços,

André

Bronca no Trombone disse...

Raphael, olha o link sobre as radionovelas:

http://broncanotrombone.blogspot.com/2009/04/voce-ja-ouviu-uma-radionovela.html

Abraços,

André