quarta-feira, 6 de maio de 2009

Quem bate?

porta

Outro texto metafórico, com o único intuito de atingir o coração de uma mulher. Na época em que ela o leu, entendeu direitinho a mensagem, e até retrucou. Os demais que o leram apenas disseram que se tratava de um texto bonito, curioso, meio sem sentido para eles. É esse o poder da metáfora! Acompanhe.

QUEM BATE?

Ela estava trancafiada em casa, havia muito tempo.

Não era capaz sequer de abrir as janelas para entrar um pouco de sol. A porta, de vez em quando, encontrava-se entreaberta, para o gato entrar e sair.

O gato era seu único companheiro. Só entrava quando queria comida. No mais, vivia na rua, zanzando como todos os gatos fazem.

E há quem diga que o bichano se alimentava muito bem em outra casa.

Um dia, ela ouviu baterem à porta.

Gelou.

Ficou paralisada de medo. Pânico. Na verdade, era paúra mesmo.

Tornaram a bater.

Ela, cada vez mais ressabiada e apavorada, começou a pôr a mente fantasiosa para trabalhar.

“E se for um ladrão?”

“E se for alguém querendo me fazer mal?”

“E se alguém está querendo ficar no lugar do gato?”

Bateram mais uma vez, insistentemente.

Ela estava a ponto de chorar, tamanho era o seu desespero. Afinal, esta era a segunda vez que alguém batia à porta de sua casa.

A primeira, havia sido o gato.

Fez-se um silêncio sepulcral. Ninguém mais bateu à porta.

Assustada, ela colou o ouvido na janela da sala e pôde ouvir duas mulheres conversando.

A primeira disse:

- Que tonta... A felicidade bateu na porta dela e ela não quis abrir!

A segunda confirmou:

- Talvez, ela já seja feliz, vivendo com o gato. Tem gosto pra tudo!

Esta história não termina aqui.

Um dia, o gato saiu e não voltou mais.

E ela se arrepende, até hoje, de não ter aberto aquela porta.

2 comentários:

Sissym disse...

Estimado, costumo atender as portas, mas creio que seja eu a mulher presa em casa já há anos.
Beijos...

Bronca no Trombone disse...

Obrigado pela visita ao meu blog e pelo comentário. Como vê, cara amiga, o texto pode servir para outras pessoas. Na época em que eu o escrevi, quis atingir (no bom sentido) o coração de uma mulher. Ela entendeu a mensagem; os demais que leram o texto ficaram "boiando". Esse é o poder das metáforas. Que bom que você tenha gostado! Volte sempre ao meu blog, tá bom? Beijos.

André